O Que É Bench Mark E Qual Deve Ser o Seu

Por |2018-06-08T07:59:40+00:003 de abril de 2014|

Além de diversificar investimentos, todo investidor deve ter uma atenção muito especial com o desempenho da carteira de seus investimentos, isso envolve ter um bench mark adequado que deve ser a base de comparação de sua rentabilidade.

Ter um bench mark apropriado faz grande diferença nos resultados dos investimentos, mas para a escolha ideal, algumas coisas devem ser levadas em conta:

O que é Bench Mark?

bench markO significado de Bench Mark nada mais é do que uma rentabilidade que será comparada aos resultados obtidos em seus investimentos.

Vou explicar o que seria um bench mark adequado para cada perfil de investidor mais adiante, porém tenha em mente que esta rentabilidade será uma base para que você saiba se est;a ou não fazendo um bom trabalho ao investir o seu dinheiro.

Suponha que o investidor perdeu 10% investindo em ações da Petrobras (PETR4). Esse foi um investimento ruim?

Só saberíamos dizer se tivéssemos um bench mark, como por exemplo o Ibovespa.

Caso o Ibovespa tenha caído 20% durante este período, o investimento não foi ruim, pois conseguiu superar o mercado. Por outro lado, caso o Ibovespa tenha subido 10%, o investimento foi péssimo, pois o investidor não conseguiu nem chegar perto de seu bench mark.

O investidor conservador ou moderado

Se o investidor tem um perfil super conservador, isto é, seu dinheiro devera ser utilizados no curto ou no médio prazo, ou o investidor tem grande receio de perder parte dos seus recursos em função do risco do investimento, a melhor alternativa seria aplicar em algum ativo de Renda Fixa, atrelado ao CDI ou SELIC ou até na Poupança que historicamente não tem riscos.

Mas se o retorno desse tipo de investimento estiver muito baixo para as expectativas do investidor, ele poderá optar por algo um pouco mais arriscado, com maior retorno, como um fundo multimercado que tem a pretensão de pagar 105% do CDI.

Nesse caso o investidor deverá ter um perfil moderado, pois aceitará um pequeno risco.

O fundo atrelado ao CDI que comentei, é um fundo PASSIVO. A gestão passiva significa que a carteira do fundo seguirá o CDI e terá como rentabilidade final uma fração deste índice.

O investidor agressivo

Este mesmo argumento é usado para fundos que replicam os índices de ações como o Ibovespa ou o Dow Jones por exemplo.

O investidor que aplicar nesses fundos passivos, sabe que receberá o mesmo retorno do índice, apenas com uma pequena diferença a menor em função da cobrança da taxa de administração.

A alternativa a esse fundo passivo é o fundo ATIVO, ou seja, o fundo ativo tem como estratégia de investimento superar o bench mark definido.

Por exemplo: um fundo multimercado que tem como bench mark o CDI e meta de rentabilidade de 130% do CDI. O gestor desse fundo irá compor a carteira com diversos ativos, inclusive alguns diferentes do CDI, como ações, dólar e etc., para que a rentabilidade agrupada desses ativos supere os 130% do CDI.

Para atingir essa rentabilidade as operações e estratégias do fundo tem que dar certo, senão o gestor corre o risco de ter uma perda que vai jogar o retorno do fundo para algo perto de 60% do CDI.

É ai que temos a grande diferença dos fundos Passivo e Ativo. O risco de perda do fundo passivo é muito baixo, pois o fundo replica a composição do índice a ser perseguido. Enquanto que o fundo Ativo pode ter rentabilidades muito diferentes do bench mark perseguido, em função da sua composição ser totalmente diferente.

Isto é, para bater o índice perseguido, o gestor corre muito risco e o investidor desse tipo de fundo tem que ter consciência disso para não reclamar posteriormente.

Respeite seu perfil de investidor

O investidor deve respeitar sempre o seu perfil, conservador, moderado ou agressivo, mas pode compor uma carteira com os 3 tipos de investimento que atendam o seu perfil, fazendo a alocação dos recursos em diferentes ativos.

Um investidor que tem pouca idade e grande necessidade de aquisições de bens, normalmente tem um perfil agressivo e deve aceitar correr mais riscos. Para esse investidor a recomendação seria investir a maior parte dos recursos em renda variável como ações ou em fundos de ações. Algo como 75% dos recursos em Renda Variável e o restante em Renda Fixa para atender as necessidades de curto prazo.

Um investidor com mais idade e que já possui bens, normalmente tem um perfil moderado definido pela necessidade de ganhar dinheiro, porem em função dos gastos mensais, tem que ter uma reserva para manutenção do status atual.

Para esse investidor a recomendação seria uma carteira mista com ativos de renda variável, renda fixa e fundos imobiliários, perfazendo algo entre 25% na Renda Variável, 45% em Renda Fixa e os 30% restantes em fundos imobiliários que geram renda mensal e são isentos de IR (veja imposto de renda em fundos imobiliários).

O retorno consolidado dos ativos deve ser maior que o retorno só da renda fixa, e não compromete muito no caso de queda da renda variável.

No caso do investidor com ainda mais idade e com perfil conservador definido pela relevância em não perder o que acumulou ao longo do tempo e despesas mensais consideráveis, a sugestão de investimento seria a alocação em ativos de renda fixa e fundos imobiliários com renda mensal. O retorno não irá ser uma maravilha, mas estará preservado.

“Não tenho um perfil definido…”

Se o investidor não tem um perfil definido, mas gostaria de um retorno maior que a poupança, o ideal é montar uma carteira com ativos variados, como renda fixa, renda variável e fundos imobiliários.

A renda variável pode ser com ações ou fundos de ações ativos e passivos e a renda fixa pode ser com fundos indexados ao CDI, fundos de renda fixa, títulos públicos e títulos privados como CDBs e LCIs.

Não existe uma regra exata para definir o perfil do investidor e a composição de uma carteira de ativos, mas se levarmos em conta que devemos investir em ativos arriscados apenas os recursos que não precisaremos usar no curto prazo, pois pode haver perdas e, muito importante, não devemos colocar todos os ovos na mesma cesta, acho que é possível desenvolver uma ótima poupança para o futuro.

Veja também