Como escolher os melhores investimentos

Por |2018-06-08T08:01:15+00:0024 de outubro de 2017|

Muita gente decide começar a investir, mas não sabe como. Conhece as opções do mercado, já possui conta em corretora, lê sobre o assunto, mas não tem ideia de como escolher o melhor investimento. Aqui já é importante mencionar que não existe um “melhor investimento”. O que é bom para um investidor pode não ser a melhor opção para outro.

Tudo depende de seus objetivos, da quantia que você tem disponível, do momento do país… São inúmeros fatores que podem influenciar na escolha do tal “melhor investimento”. Mas não dá para se desesperar e deixar de aplicar seu dinheiro por causa disso. Com um pouco de análise, é possível encontrar as opções do mercado que mais se encaixam para o seu perfil.

1. Defina seu objetivo

Você pensou em investir por um objetivo, certo? Pode ser para fazer uma viagem internacional, comprar um carro, sair do aluguel ou até mesmo para o futuro dos seus filhos e sua aposentadoria. Tenha esse objetivo bem definido em seu planejamento.

A partir dele, você pode definir quanto dinheiro vai investir e por quanto tempo. Dependendo da quantia que vai aplicar, a sua lista de opções vai diminuir. Existem aplicações com valor mínimo de R$ 1.000.000,00! Mas no Tesouro Direto, por exemplo, há a partir de R$ 30,00. Por isso é importante ter o valor bem determinado.

Se você quer viajar no ano seguinte, por exemplo, não adianta escolher um investimento com uma rentabilidade alta, mas que o vencimento é só dali a cinco anos. Existem aplicações que duram três meses, outras um ano e outras mais de cinco anos. Ou seja, se estiver com pouco tempo disponível, o prazo de vencimento deve ser menor. Já se não tiver necessidade para usar os recursos, o prazo pode ser mais longo.

Dica: se você está começando a investir agora, o que acha de escolher aplicações com um prazo de vencimento menor? Dessa forma, você consegue conhecer melhor o mercado antes de realizar aplicações maiores e mais alongadas.

2. Escolha os riscos

Todo investimento tem risco. Pode ser maior ou menor, mas ele existe. É claro que não é por isso que você deve ficar com receio de investir. Existem títulos disponíveis no mercado que são mais seguros e outros que são mais arriscados, basta decidir em qual você está disposto a se colocar.

A garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante investimentos de até R$ 250.000,00 por CPF e por grupo financeiro em caso de falência da instituição, pode ser um dos fatores para você escolher. Alguns se sentem mais seguros em aplicações garantidas pelo FGC. Mas vale lembrar que investimentos que não são garantidos pelo FGC também podem ser seguros. Basta pesquisar!

Outro ponto interessante é que você precisa definir se, em uma emergência, vai precisar daquele dinheiro. Se você possui uma boa quantia de reserva em sua conta e aquela quantia para investir não precisará ser resgatada tão cedo, pode escolher uma aplicação com liquidez no vencimento, ou seja, seu dinheiro está “preso” até a data de resgate.

Por outro lado, se você acha que talvez precise daquela quantia antes da hora, vá na liquidez diária, que é uma característica de investimentos que podem ser retirados a qualquer hora (eles costumam render menos, ok?).

3. Pense no momento do país

É muito difícil indicar qual é o melhor investimento, mas é possível analisar o comportamento dos brasileiros e ver o que é mais comum. No momento atual de queda de juros, por exemplo, investidores estão apostando nas aplicações prefixadas. Por isso é muito importante analisar o momento pelo qual o país está passando.

Já no caso dos pós-fixados, se você quiser ganhar acima da inflação, pode comprar um título indexado ao IPCA — seja Tesouro Direto ou CDB. Se você quiser ganhar acima da taxa SELIC, use-a como indexador.

É claro que isso não significa necessariamente que eles serão os mais rentáveis. Isso é uma questão de escolha do investidor e uma maneira de se adaptar ao que está acontecendo na economia brasileira.

4. Veja sua prioridade

O mais importante na hora de você escolher o investimento é definir sua prioridade. Você vai definir por algumas das opções que falamos acima? Pelo valor mínimo de investimento, pelo tipo de liquidez, pelo prazo de vencimento, pelos indexadores… São diversas opções e você precisa definir qual é mais importante para você.

É muito comum ouvir “Vou escolher o que rende mais!” ou “O que for isento de impostos”. Mas no mundo dos investimentos não é bem assim que funciona.

No caso de maior rentabilidade, é importante ficar atento que nem sempre a taxa mais alta é sinônimo do melhor investimento. Isso porque depende de todos os outros fatores que citamos. Atualmente, por exemplo, se você quiser ter um rendimento melhor, os prefixados podem ser uma boa opção, mas talvez eles não se encaixem nas suas outras demandas já que a maior parte dos investimentos prefixados possuem liquidez no vencimento..

Quanto aos impostos, nem sempre é uma boa ideia escolher um investimento que não é tributado. Mesmo sem o imposto de renda, podem existir investimentos mais rentáveis e que se encaixam mais no seu perfil. Por isso, dentre todas as características dos investimentos, escolha qual a mais “pesa” para você e siga nesta linha.

5. Pesquise o melhor tipo

Se você já definiu quais são seus objetivos e prioridades, chegou a hora de investir. Para isso, assim como nos outros passos, é importante procurar o que existe de opção para investir. Basta entrar no buscador de investimentos do Yubb (https://www.yubb.com.br), colocar as características de seu investimento (quantia e tempo de resgate) e pesquisar entre os investimentos disponíveis.

A partir daí, você poderá escolher em qual empresa de investimentos deseja colocar seu dinheiro: se vai ser um banco, uma corretora, fundo ou um robô, abrir uma conta e concretizá-lo.

Vale dizer que não acaba aí não! Fique sempre monitorando as suas aplicações para não acontecer nada indesejado e, o mais importante, siga economizando para investir mais no futuro.

Bernardo Pascowitch

Bernardo é fundador e CEO do Yubb, buscador de investimentos totalmente gratuito para qualquer pessoa encontrar opções para aplicar melhor seu dinheiro. Bernardo é formado em direito pela Universidade de São Paulo (USP).

Veja também