Que a a renda fixa é um dos tipos de investimentos mais seguros, todos já sabemos. Investir em renda variável, como ações, moedas e índices na Bolsa de Valores, pode trazer maiores lucros para o investidor, mas com mais riscos. Agora, imagine se existisse um investimento que combinasse renda fixa com renda variável? Sim, ele existe! Estamos falando do COE.

O COE já é super comum em outros países, mas aqui no Brasil ainda não é tão popular assim. Lançado no Brasil apenas em 2010, os investidores estão cada dia mais investindo nele.  Neste artigo, você irá descobrir o que é o COE e como funciona este tipo de investimento tão único.

Fique atento e amplie o seu leque de conhecimentos sobre o mercado de investimentos.

O que é COE?

O COE, sigla para Certificado de Operações Estruturadas, é um tipo de operação financeira que é resultado da combinação entre algum derivativo de renda variável com um ativo principal de renda fixa.

Nos Estados Unidos e em países europeus, investimentos deste tipo já são bem famosos, como é o caso das Notas Estruturadas, que já existem há vários anos. O COE, no caso, é a versão brasileira deste investimento aplicado no exterior.

Logo, unindo estes Certificados e com tudo sendo feito da forma correta e planejada, o COE é uma boa saída para você não correr tantos riscos e, mesmo assim, ter grande possibilidade de lucro.

Podemos simplificar o Certificado de Operações Estruturadas da seguinte maneira: são os ativos de risco, como as ações da Bolsa, unidos com a segurança das aplicações em renda fixa.

São nos títulos de renda fixa, como por exemplo o CDB, LCI, LCA, entre outros, onde uma parcela do seu dinheiro é investido. E a outra parcela é investida em ativos de renda variável, como ações na Bolsa de Valores.

Assim, podemos afirmar que é um investimento que pode lhe trazer grandes lucros, comparando-o com outros investimentos mais conservadores, sem ter que se expor a muitos riscos.

Mas, atenção: o ideal é combinar o seu investimento em COE com outras opções do mercado de investimentos. Investir apenas em COE não significa modificar os seus investimentos.

Agora que você já sabe o que é o COE, é preciso entender todas os variedades deste investimento.

Quais são os tipos de COE?

Podemos classificar o COE em dois subtipos, com base na segurança e na proteção do que foi investido. São os seguintes:

COE de capital de risco

Neste subtipo, a perda de todo o dinheiro investido é o pior cenário para o investidor. Ou seja, é ficar literalmente sem nada. Entretanto, tem uma parte boa desta história: não é possível perder mais do que você investiu. Portanto, você nunca sairá devendo nada.

Por outro lado, por mais que o risco seja mais alto, se tudo ocorrer perfeitamente como você planejou, você terá maior chance de obter lucros grandes. Ademais, nunca se esqueça que o melhor investimento a se fazer é aquele que está de acordo com o seu perfil de investidor, bem como do quanto de risco você está disposto a assumir.

COE de capital garantido

Neste formato de COE, você pode ter um retorno significativo, como nas aplicações em renda variável, e com a segurança de que, no pior cenário, você receberá tudo o que investiu de forma integral.

Assim, você não perderá o valor que investiu lá no início, por mais que tudo dê errado. Entretanto, como nem tudo são flores, existe a tão temida inflação. Com isso, pode haver alguns descontos. Portanto, podemos afirmar que, neste subtipo de COE, você não perde dinheiro mas, devido à inflação, ele pode se desvalorizar, fazendo com que você perca uma pequena parcela do que investiu.

No próximo tópico, você irá descobrir como funciona o COE.

Como funciona o Certificado de Operações Estruturadas?

As responsáveis pela emissão do COE são as instituições bancárias. As mesmas definem:

  • o valor mínimo que terá que ser aplicado;
  • a data de vencimento do título;
  • a taxa usada na remuneração;
  • todos os cenários de perdas e ganhos ao se investir.

Depois do Certificado de Operações Estruturadas ser emitido, ele deve, necessariamente, ser registrado na Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos). Assim, o investimento se torna mais seguro, pois a Cetip é responsável por garantir que os bancos ofereçam as melhores opções e cenários de retorno dos certificados com muita competência e cuidado.

É mais que ideal analisar se a corretora de valores de sua escolha possui o selo “Cetip Certifica”. Isto lhe dá total garantia de que seus dados estarão na base da Cetip. Assim, você poderá observar as movimentações do seu investimento mais facilmente.

É importante dizer também que todo COE apresenta um documento denominado DIE (Documento de Informações Essenciais). Este abarca todos os dados e informações sobre o investimento, como o banco emissor do título, a modalidade e garantia do COE, a taxa de rentabilidade, o tempo que foi determinado para a aplicação e as regras para perdas e ganhos.

Agora, se você realmente quer investir em COE, atente-se ao documento que falamos acima. Analise-o e verifique se todas as condições do título fazem sentido para você.

Estamos chegando ao fim do nosso conteúdo. Neste artigo, você aprendeu sobre o Certificado de Operações Estruturadas e como ele funciona dentro do mercado de investimentos. Mas vamos lhe ajudar mais ainda, olha só o que vem por aí…

O melhor, sempre, é buscar mais conhecimento

Como já falamos anteriormente, a busca pelo conhecimento sempre será a melhor maneira de se destacar entre os demais. E no mercado de investimentos isso não é diferente.

O que adianta investir que nem louco e sair perdendo dinheiro? Ou investir um grande valor para não lucrar nada no final?

Nós, do Bússola do Investidor, estamos aqui para te ajudar!

Acesse os nossos Materiais Educativos e tenha em mãos tudo o que você precisa saber sobre o mercado financeiro!

 

Veja também