Repicou, mas cadê o volume? – Análise Semanal

Por |2018-06-08T07:58:53+00:0028 de junho de 2013|

Apesar de repiques nos últimos dias, o gráfico do IBOV ainda nem sentiu qualquer impacto em uma possível melhora ou reversão de tendência.

O volume financeiro das últimas duas semanas foi de R$ 54 bilhões e 48 bilhões, mas nesta semana tivemos apenas R$ 38 bilhões mesmo com os enormes leilões de hoje por ser o último dia do semestre.

Para quem não sabe, uma teoria da análise técnica diz que a tendência é confirmada pelo volume, ou seja, se um marcado cai com forte volume e sobe com volume fraco, isso corrobora com a tendência de baixa.

gráfico Ibovespa - sem volume

Ainda não atingimos sequer a primeira região importante no intraday em 48.200 pontos, a partir de onde engrossaria o coro por repiques, por isso, não há muito motivo para os comprados ficarem sorrindo por enquanto.

Os repiques são apenas parte tradicional de um mercado fraco, ou seja, enquanto não tivemos uma série de melhoras, como fundos ascendentes no gráfico de preços, Adx bem mais baixo que os atuais 65 pontos, Bandas de Bollinger bem estreitas e outros por aí. Não há nada que impeça os repiques de continuarem a aparecer, mas temos que ter em mente que comprar para carregar alguns dias ainda parece arrojado, pois a tendência do mercado aponta para baixo.

O suporte do Ibovespa fica na mínima do ano, em 45.400 pontos e sem rompimento traz um novo momento de tensão no mercado em busca dos 43.500 pontos.

O Índice Dow Jones também mostrou alguns pregões em alta, mas está em uma situação chata para quem está olhando, já que não há qualquer pinta de que teremos uma importante modificação em sua tendência de curto prazo por enquanto. A situação é até simples, com uma bela tendência de alta para o longo prazo, mas o curtinho prazo ainda estressado e podendo voltar a cutucar os 14.550/14.380 pontos, abaixo de onde nos daria motivos para uma cautela maior.

Na semana passada falei de algumas operações curtinhas e várias delas já foram até encerradas. A compra de RENT3 durou apenas poucos dias, enquanto que a de QUAL3 começou a andar melhor nos últimos pregões desta semana e ainda tem potencial para mais repiques. No campo das vendas, o destaque ficou com a ABRE11, que foi bem rápida em nosso relatório, saindo ao primeiro sinal de lucro razoável.

Como novas operações, ainda temos uma situação muito complicada, pois a maior parte dos papéis ainda mostra alguma coisa atrapalhando uma operação. Para as compras, a maioria tem o problema de não possuir uma tendência de alta, enquanto que as vendas tem problemas de necessidade de confirmação dos sinais de topo, ou possuem stops muito longos.

Para as operações, ainda temos que tomar um pouco de cuidado, mas vou falar de uma possível compra arrojada em CPLE6, da EMBR3 que já foi comprada há uns dias e quem sabe a GFSA3 que melhoraria acima dos R$ 3,03. No campo negativo, BVMF3, MPLU3 e ALLL3 serão as bolas da vez.

Algumas empresas mostram variações enormes de um pregão para o outro quando alguma notícia é divulgada e este foi o caso da CPLE6 há uns dias, quando caiu mais de 10% em um único pregão. Desde então, não saiu muito do lugar mas acima dos R$ 28,43 poderia finalmente dar o ar da graça de sua melhora, buscando ao menos repiques até perto dos R$ 30,50. A operação ainda parece bem arrojada, já que é um pouco forçado falar em fundos ascendentes e principalmente porque sua volatilidade está enorme, mas em caso de rompimento acho que vale um pouquinho de carinho nela. O stop é razoavelmente curto, só estaria melhora se as BB estivessem estreitas.

Com as fortes quedas das últimas semanas, não sobrou praticamente nada em tendência de alta, mas a EMBR3 insiste em se mostrar como o último guerreiro em pé. Já acumulando mais de 40% de alta no ano, ela tem fundos ascendentes e precisa se manter acima dos R$ 19,66 para evitar qualquer problema. O ideal seria ver o papel rapidamente acima dos R$ 20,67 para voltar a buscar as máximas do ano. É também dos poucos papéis que contam com um OBV otimista, ou seja, o volume tem sido forte nos dias de alta. Não me parece que vá dar uma pancada agora, mas só por estar em tendência de alta já nos faz sorrir um pouquinho.

No caso da GFSA3, a análise se torna quase que uma aposta por enquanto. Não por ela não fazer sentido ou algo do tipo, mas porque precisaria fazer ainda muita coisa nos próximos dias para realmente ficar bonita, mas acho que não custa nada deixar a todos avisados. A tendência ainda é de baixa, mas isso todo mundo já sabe. O que chama atenção, no entanto, é o fato do papel poder melhorar bastante acima dos R$ 3,03, que é a primeira resistência e cujo rompimento reverteria sua tendência, chamando comprinhas rápidas até os R$ 3,17 em um primeiro momento. Ainda não sabemos onde seria o stop, já que não tem um fundo anterior formado, mas não custa nada dar um pouco de atenção a ela.

A MPLU3 não tem mostrado nos últimos dias a mesma emoção do começo do ano, quando se movimentou feito uma louca para cima e para baixo. Apesar do certo marasmo das últimas semanas, um pequeno pivot de baixa pode ser feito abaixo dos R$ 32,49, que já foi testado hoje. Em caso de rompimento, a venda seria chamada em busca dos R$ 30,00 e teria um grande aliado, que seria o Adx bem baixinho. O stop da operação também não é longo, por isso acho a operação bem válida.

A BVMF3 teve atingido o seu objetivo de repique dentro da sua tendência de baixa de curto prazo e em caso de confirmação do possível sinal de topo, através de um fechamento abaixo dos R$ 12,17, terá retomado o caminho para mais quedas em busca do seu fundo anterior em R$ 11,28. No campo superior depende do rompimento do topo anterior em R$ 13,11 para ter anulada a tendência atual.

Bastante similar à BVMF3, a ALLL3 tem uma tendência de baixa com espaço para quedas em busca do suporte em R$ 8,83 e caso este seja rompido terá configurado um novo pivot de baixa com o fundo seguinte em R$ 8,74. No campo superior precisa romper a resistência recém formada em R$ 9,67 para ter alguma melhora de curtíssimo prazo. O OBV segue ajudando os vendidos com sua configuração de topos e fundos descendentes.

Um ótimo final de semana a todos e até a próxima!!

 

 

Este relatório foi preparado pela equipe de análise de investimentos da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (“Ágora”), que é uma sociedade controlada pelo Banco Bradesco BBI S.A. (“BBI”), mesmo controlador da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários (“Bradesco Corretora”). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora.
Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco.
A remuneração do(s) analista(s) de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI.
O analista de investimentos Daniel Marques declara que possui vínculo com pessoa natural que trabalha para o emissor objeto de análise: PETROBRÁS.
O analista de investimento João Marcello Schoenberger declara que ele e/ou seu cônjuge ou companheira são, direta ou indiretamente, em nome próprio ou de terceiros, titulares de valores mobiliários objeto dos relatórios de análise: BBDC4, BVMF3, MILS3, KLBN4, MYPK3, DIRR3, RDNI3, BRFS3 e CCRO3.
Declarações nos termos do art. 18 da Instrução CVM 483.
O Bradesco tem participação direta acima de 5% nas empresas Cielo S.A. e Odontoprev S.A. A Bradseg Participações Ltda., empresa do Grupo Bradesco, tem participação indireta acima de 5% no Fleury S.A. A BRADESPAR S.A., cujo grupo controlador é composto pelos mesmos acionistas que controlam o Bradesco, tem participação indireta acima de 5% na VALE S.A..
Ágora, Bradesco Corretora, Bradesco BBI e demais empresas do grupo Bradesco têm interesses financeiros e comerciais relevantes em relação ao emissor ou aos valores mobiliários objeto de análise.
O Bradesco BBI está participando como coordenador na oferta de distribuição pública de ações de CPFL Energias Renováveis S.A., Iguatemi Empresa de Shopping Centers S.A., MPX Energia S.A. de debêntures do BNDES Participações S.A. – BNDESPAR, Cia de Gás de São Paulo – Comgás, JBS S.A. e OI S.A. e letras financeiras de Banco Daycoval S.A.. A Ágora e a Bradesco Corretora estão participando como instituições intermediárias na oferta de distribuição pública de ações Iguatemi Empresa de Shopping Centers S.A., de debêntures do BNDES Participações S.A. – BNDESPAR, Rodovias do Tietê e cotas de Fundo de Investimento Imobiliário – FII Brasil Plural Absoluto Fundo de Fundos, Fundo de Investimento Imobiliário General Shopping Ativo e Renda – FII, Rio Bravo Crédito Imobiliário II Fundo de Investimento Imobiliário – FII, Santander Agências Fundo de Investimento Imobiliário – FII e SP Downtown Fundo de Investimento Imobiliário FII.
Nos últimos 12 meses, o Bradesco BBI participou como coordenador nas ofertas públicas de distribuição de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Ampla, Azul Linhas Aéreas, Banco BTG Pactual, Banco do Brasil, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, BNDESPAR, BR Malls, BR Pharma, Bradespar, Brasil Telecom, Brookfield Incorporações, BTG Pactual Pharma, CART, CCR Viaoeste, CEDAE, Chemical VII (FIDC), Colinas, Comgás, CPFL Energias Renováveis, EcoRodovias, Ecovias, Editora Abril, Eletropaulo, Embratel, Equatorial, Estácio, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, Fleury, Gafisa, Galvão Participações, Gávea Crédito Estruturado (FIDC), Gráfica e Editora Anglo, Iguatemi, JBS, Marfrig, MMX Mineração, Multiplan, OAS, OI, Petropar, Queiroz Galvão, Rede Do´r São Luiz, Restoque (Le Lis Blanc), Rodobens, Sabesp, Smiles, Suzano Papel e Celulose, Vale e Vix Logística. Também atuou como assessor financeiro de Alpargatas na operação com a Osklen.
Nos últimos 12 meses, a Ágora e/ou a Bradesco Corretora participaram, como instituições intermediárias, das ofertas públicas de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Alupar, BNDESPAR, Banco BTG Pactual, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, BR Pharma, Equatorial, Estácio, Fator IFIX – FII, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, Fator Verità FII, Fibria, FII TB Office, FII Vila Olimpia Corporate, Fundo de Índice ICO2, FII TRX, Iochpe Maxion, Linx, Marfrig, Minerva, Multiplan, Santander Agências FII, Senior Solution, SDI Logística Rio – FII, Smiles, Suzano Papel e Celulose, Taesa, Triângulo do Sol e XP Corporate Macaé – FII.
A Bradesco Corretora recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de ações da Alpargatas (ALPA4) e Odontoprev (ODPV3). O Bradesco recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de debêntures da USIMINAS e BNDESPAR, e cotas do Fundo Imobiliário BB Progressivo II.

Veja também