A Nova Mínima do Ano – Análise Semanal

Por |2018-06-08T07:59:24+00:007 de fevereiro de 2014|

O Índice Bovespa atingiu uma nova mínima do ano nos 46.100 pontos, que agora é suporte, e começou a se engraçar com alguns repiques.

Alguns deles foram estranhos, como na terça feira, principalmente puxado em valorização e volume por ITUB4 e ITSA4 e não distribuído uniformemente por todos os ativos. Ainda assim, a mudança é zero em relação a tendência do mercado, já que os fundos são descendentes e o topo anterior está apenas em 49.600 pontos.

grafico ibov

O ponto que eu havia traçado como objetivo de repiques em 48.480 pontos já pode ser considerado atingido, valendo então uma atenção ao suporte intradiário em 47.550 pontos, já que seu rompimento seria um novo grito por vendas em busca dos 46.100 pontos. Em caso de perda também desse suporte, mais uma venda será chamada em busca do objetivo principal, na mínima do ano passado em 44.100 pontos.

O Índice Dow Jones continua seguindo bem bonitinho qualquer detalha da análise técnica. Primeiro perdeu o suporte em 15.700 pontos, o que chamou vendas até a mme200. Depois de atingi-la e deixar um sinal de fundo, os repiques jogaram-no novamente para os 15.700 pontos, o que também foi citado anteriormente. A situação ainda é antagônica entre os prazos curto e longo.

Enquanto que o longo prazo segue tranquilo na tendência de alta e ainda forte no semanal, seu curto prazo está perigosamente próximo do suporte em 15.340 pontos e seu rompimento chamaria uma venda bem pesada, fazendo os vendidos sonharem novamente com os 14.700 pontos.

Sobre os papéis citados na semana passada, a maior parte andou muito bem, como a venda de DIRR3 e a possibilidade de repique forte na BRML3. As novidades ainda ficam um pouquinho prejudicadas pelo momento específico do mercado, já que a tendência de baixa não anima muitas compras, e a ausência de sinais de topo dificulta a entrada em novas vendas. No geral, as vendas ainda levam ampla vantagem na minha preferência de posicionamento, em ativos como BRML3, VLID3, BBSE3 e MRVE3. Como filha única na compra, começo a paquerar a FIBR3.

A tendência de BRML3 e de seu setor ainda é de queda, mas o ativo vai brigando valentemente por uma melhora, embora ainda não tenha sucesso. Um novo suporte intradiário importante foi marcado hoje em R$ 15,55 e seu rompimento iniciaria um novo banho de sangue no ativo, em busca da mínima do ano em R$ 14,68, que seria o objetivo inicial dessa nova venda. O Adx já está baixinho e isso favorece a montagem de novas operações, que teriam um stop também curto perto dos R$ 16,30.

Muitos não se sentem confortáveis em operar papéis menos conhecidos, mas a VLID3 está perto de chamar sua segunda venda em apenas poucos dias. A mínima dessa semana em R$ 28,19 é um suporte e seu rompimento engataria um novo processo de vendas em busca dos R$ 26,50 como objetivo e ainda contando com bela ajuda de indicadores como Adx e OBV. Para uma nova venda, o stop ainda é longo, mas quem gostar do stop da operação anterior em R$ 30,78, este segue válido.

Confesso que passei essa semana levando uma surra da BBSE3, que na segunda-feira chamou uma venda ao romper uma figura de OCO, mas desde então repicou muito forte e me deixou com cara de bobo. Hoje tivemos um sinal de topo e abaixo dos R$ 23,00 animaria o intraday para as vendas mais uma vez, em busca primeiramente da mínima do ano em R$ 21,54. O stop já fica curto, mas o ideal seria uma rápida confirmação desse sinal de topo.

A MRVE3 está um pouquinho travada, mas com um claro viés negativo e segue muito volátil, o que pode acelerar os movimentos de uma operação. Depois de duas altas muito forte na quarta e quinta, hoje o papel tocou a mme200 e deixou um baita sinal de topo. Por enquanto sua importância é zero, mas em caso de perda dos R$ 8,46 na próxima segunda-feira, uma nova venda aconteceria em busca dos R$ 7,95. O OBV está condizente com a venda e o principal atrativo da operação é o stop bem curtinho, na máxima de hoje em R$ 8,77. Esta está em detalhes em nosso relatório de recomendações.

Alguns ativos tem o costume de andar na contramão do mercado, principalmente quando este está apontando para baixo e a FIBR3 é um típico caso. Além da bela tendência de alta no longo prazo, o ativo está segurando na mme200 nos últimos dias e acima dos R$ 27,35 pode ganhar força de novo para uma nova puxada até os R$ 28,50. Seria uma operação bem curtinha e psicologicamente complicada, já que estamos falando de compras em um mercado bem ruim, mas agrada pela característica da ação e sua configuração gráfica. O stop ficaria no fundo anterior em R$ 25,40.

Os comprados em geral seguem passando sufoco, apesar do alívio dessa semana, por isso, o stop é sempre recomendado. Operações que não dependam de fortes puxadas do mercado também seguem em pauta, como long and shorts e financiamentos.

Bom final de semana a todos e até a próxima!!

 

 

Este relatório foi preparado pela equipe de análise de investimentos da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (“Ágora”), que é uma sociedade controlada pelo Banco Bradesco BBI S.A. (“BBI”), mesmo controlador da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários (“Bradesco Corretora”). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora.
Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco.
A remuneração do(s) analista(s) de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI.
O analista de investimentos Daniel Marques declara que possui vínculo com pessoa natural que trabalha para o emissor objeto do relatório de análise: PETROBRÁS.
Declarações nos termos do art. 18 da Instrução CVM 483:
O Bradesco tem participação direta acima de 5% na empresa Cielo S.A.. A Bradseg Participações Ltda., empresa do Grupo Bradesco, tem participação indireta acima de 5% no Fleury S.A. A BRADESPAR S.A., cujo grupo controlador é composto pelos mesmos acionistas que controlam o Bradesco, tem participação indireta acima de 5% na VALE S.A..
Ágora, Bradesco Corretora, Bradesco BBI e demais empresas do grupo Bradesco têm interesses financeiros e comerciais relevantes em relação ao emissor ou aos valores mobiliários objeto de análise.
O Bradesco BBI está participando como coordenador na oferta de distribuição pública de debêntures da Vale S.A.. A Ágora e a Bradesco Corretora estão participando como instituições intermediárias na oferta de distribuição pública debêntures da Vale S.A..
Nos últimos 12 meses, o Bradesco BBI participou como coordenador nas ofertas públicas de distribuição de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Banco BTG Pactual, Banco do Brasil, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, BNDESPAR, BR Malls, Bradespar, Brasil Telecom, CEDAE, Chemical VII, Chemical VIII, Colinas, Comgás, CPFL Energias Renováveis, Daycoval, Ecovias, Embratel, Estácio, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, Fleury, Gafisa, Gávea Crédito Estruturado (FIDC), Iguatemi, JBS, Marfrig, MPX, Multiplan, OAS, OI, Petropar, Raízen Energia, Restoque (Le Lis Blanc), Rodobens, Sabesp, Smiles, Vale, Via Varejo e Vix Logística. Também atuou como assessor financeiro de Alpargatas na operação com a Osklen.
Nos últimos 12 meses, a Ágora e/ou a Bradesco Corretora participaram, como instituições intermediárias, das ofertas públicas de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Alupar, Autoban, Brazilian Securities, BNDESPAR, Banco BTG Pactual, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, Comgás, CPFL Energias Renováveis, CVC, Estácio, Fator IFIX – FII, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, FII – General Shopping Ativo e Renda, Fator Verità FII, Fibria, FII Brasil Plural Absoluto Fundo de Fundos, FII TB Office, FII TRX, Iguatemi, Iochpe Maxion, GAEC Educação, Linx, Marfrig, Multiplan, Rodovias do Tietê, Santander Agências FII, Senior Solution, SDI Logística Rio – FII, Ser Educacional, Smiles, SP Downtown – FII, Triângulo do Sol, Tupy, Via Varejo e XP Corporate Macaé – FII.
A Bradesco Corretora recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de ações da Alpargatas (ALPA4), General Shopping (GSHP3) e Odontoprev (ODPV3). O Bradesco recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de debêntures da USIMINAS e BNDESPAR, e cotas do Fundo Imobiliário BB Progressivo II.

 

Veja também