Gráficos com Análise Técnica Grátis!  Agora o Bússola do Investidor tem gráficos Interativos com Cotações em Tempo Real.   Acesse já!

X
   Adicionar aos favoritos       RSS                            Novo por aqui? Cadastre-se ou faça seu login. 
 
Cadastre-se   |  Faça seu login   |  Planos
ARTIGOS

Mercado de Opções


Por Alvaro Esteves em terça-feira, 9 de junho de 2009 - 00:00
Envie por email  Imprima  RSS Feed RSS

É importante você saber que o desenvolvimento do conceito de opções surgiu de necessidade específica: o controle do risco ligado às flutuações dos preços nos mercados agrícolas.

A primeira documentação sobre o uso de opções ocorreu na Holanda em 1634. As tulipas eram símbolo de status entre a aristocracia holandesa do século XVII. Naquela época, era comum os mercadores venderem tulipas a futuro (para entregar em data futura). Havia, portanto, grande risco em aceitar vender por preço fixo no futuro sem saber ao certo qual seria o preço exato no momento da venda.
  Para limitar esse risco e assegurar margem de lucro, muitos mercadores compravam opções dos plantadores. Essas opções lhes asseguravam o direito, mas não a obrigação, de comprar tulipas dos plantadores por preço predeterminado ao término de período específico de tempo. Em outras palavras, o preço máximo para os mercadores era fixado até que chegasse o momento de entregar as tulipas aos aristocratas e receber o pagamento.   Se as tulipas passassem a custar mais que o preço máximo (ou predeterminado), os mercadores que possuíam as opções exigiriam do plantador a entrega pelo preço máximo combinado, assegurando margem de lucro. Se, entretanto, o preço caísse e a opção expirasse sem valor, o mercador ainda poderia ter lucro comprando tulipas por preço mais baixo e, depois, revendendo- as com lucro. Esses contratos de opções possibilitaram que muitos mercadores permanecessem trabalhando durante períodos de extrema volatilidade nos preços daquelas flores.   O conceito importante que fica dessa pequena história é que as opções não foram criadas para ser o instrumento especulativo do qual muitos fazem uso nos dias de hoje, mas para ser um instrumento de proteção contra variações de preços. O contrato de seguro é bom exemplo de opção. O segurado (comprador da opção) tem o direito de ser ressarcido caso haja um sinistro, mas não tem obrigação nenhuma. A seguradora (vendedor da opção) tem a obrigação de pagar ao comprador, se o sinistro ocorrer, a critério do comprador. Por adquirir essa obrigação, o vendedor da opção recebe um valor em pagamento, chamado prêmio.   Na forma como são conhecidas hoje, as opções começaram a ser negociadas em bolsa, na Chicago Board Options Exchange, em 1973. Com o lançamento dos contratos de opções sobre títulos do Tesouro norte-americano, o mercado cresceu e difundiu-se por toda a parte, sendo indiscutível sua eficácia como instrumento de hedge.  Definição   Pode-se definir opção como o direito de comprar ou de vender certa quantidade de um bem ou ativo, por preço determinado, para exercê-lo em data futura prefixada.   Devido a sua relativa complexidade, o mercado de opções apresenta vocabulário todo particular, que visa representar as características de cada opção. Por esse motivo, você deve conhecer alguns termos importantes:   ativo-objeto: é o bem, mercadoria ou ativo que se está negociando titular: é o comprador da opção, aquele que adquire os direitos de comprar ou de vender a opção lançador: é o vendedor da opção, aquele que cede os direitos ao titular, assumindo a obrigação de comprar ou de vender o objeto da opção prêmio: é o valor pago pelo titular ao lançador da opção para ter direito de comprar ou de vender o objeto da opção preço de exercício: preço pelo qual o titular pode exercer seu direito data de exercício: último dia no qual o titular pode exercer seu direito de comprar ou de vender, conhecido como data de vencimento da opção. Tipos de Opção   Opção de compra (ou call): o titular/comprador adquire o direito de comprar o ativo-objeto do contrato, mas não a obrigação, por preço fixo (preço de exercício), em data futura acordadas pelas partes (data de exercício ou vencimento). Para obter o direito de comprar, paga ao lançador/vendedor um valor chamado de prêmio.   Opção de venda (ou put): o titular adquire o direito de vender o objeto do contrato, mas não a obrigação, por preço fixo (preço de exercício), em data futura acordada pelas partes (data de exercício ou de vencimento). Para ceder o direito de venda ao titular/comprador, o lançador/vendedor recebe um valor chamado de prêmio.    src=//www.bussoladoinvestidor.com.br/images/mkt_opcoes.gif   Além disso as opções possuem dois modelos, são eles:   Modelo americano: a opção pode ser exercida a qualquer momento, até a data de vencimento acordada entre as partes.   Modelo europeu: a opção somente pode ser exercida na data de vencimento acordada entre as partes.  Características das Opções   A principal característica das opções é seu apreçamento que ocorre ao longo do seu período de maturação. As opções sobre ações vão ficando mais corretamente precificadas de acordo com a aproximação do seu exercício, uma vez que diminuem as incertezas sobre os eventos bons e ruins que podem ocorrem em relação ao seu ativo-objeto. A valoração das opções ocorre em função do seu valor intrínseco, temporal, macroeconômico e da oscilação do seu ativo objeto.   Valor intrínseco   O valor de uma opção é basicamente dividido em duas partes. O valor intrínseco e a outra parte que engloba várias variáveis tendo como a mais importante a variável temporal. O Valor intrínseco de uma opção é a diferença entre o preço à vista do ativo-objeto e o valor de exercício da opção, o que excede a esse valor é a precificação do prêmio pelo risco e está diretamente relacionado às variáveis implícitas imputadas na opção. Tais como: fatores temporais, macroeconômicos, volatilidade do mercado, e o preço do ativo.   Exemplificando:   Considerando os preços do ativos financeiros:   Preço corrente da opção da VALEJ28: R$2,51   Preço de exercício da opção VALEJ28: R$28,01   Preço atual do ativo VALE5: R$29,20   O valor intrínseco da opção é: R$29,20 - R$28,01 = R$1,19   O valor restante de R$1,32 é o prêmio pelo risco de se exercer a opção que o mercado está julgando justo pagar, como dito anteriormente esse prêmio engloba vários fatores.

 

Álvaro Pereira Esteves é estudante de Administração de Empresas da FEA-USP e estagiário de Private Equity. Para entrar em contato acesse seu perfil ou mande um email para alvaroesteves@bussoladoinvestidor.com.br.


Este relatório ou artigo não representa necessariamente a opinião do site, tem como único propósito fornecer informações e no constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. O Bússola do Investidor nem o autor do artigo no declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este artigo se baseia em informações públicas sobre cujas veracidade e qualidade não temos responsabilidade.
 

Mais Lidas
Enquete
 
  
Mercados  |  Empresas  |  Corretoras  |  Calculadora de IR  |  Fórum  |  Central de Ajuda  |  Contato
Siga-nos:     


Copyright © 2007- 2017 Bússola do Investidor.
Ao utilizar o site, você concorda com os Termos de Uso .
Cotações Bovespa com 15 minutos de atraso. Clique aqui para ver cotações em tempo real em todo o site.
Todas as opiniões aqui exibidas são de responsabilidade de seus próprios autores e poderão ser retiradas a qualquer momento sem aviso prévio.
Apesar de todo o cuidado na coleta dos dados apresentados, não nos responsabilizamos pela exatidão das informações contidas neste site.