Gráficos com Análise Técnica Grátis!  Agora o Bússola do Investidor tem gráficos Interativos com Cotações em Tempo Real.   Acesse já!

X
   Adicionar aos favoritos       RSS                            Novo por aqui? Cadastre-se ou faça seu login. 
 
Cadastre-se   |  Faça seu login   |  Planos
ARTIGOS

Guia do Imposto de Renda na Bolsa - Compensação de Prejuízos


Por Frederico Skwara em segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 - 18:31
Envie por email  Imprima  RSS Feed RSS
Muitos investidores iniciantes não sabem, mas podem utilizar todas as perdas passadas, caso haja, para compensar ganhos no futuro. Sem saber disso, muitos investidores podem estar pagando mais imposto do realmente precisariam pagar.
  Conforme a própria Receita nos esclarece, para fins de apuração e pagamento mensal do Imposto de Renda sobre ações, os prejuízos tidos num determinado mês podem ser somados para descontar o lucro em algum mês em que o resultado tenha sido positivo ao investidor. Uma dúvida comum dos investidores é até quando esse prejuízo acumulado pode ser usado, ou seja, se há algum prazo limite de compensação. Conforme a Instrução Normativa RFB nº 1.022 nos explica, é possível utilizar o prejuízo em qualquer mês subsequente ao seu período de apuração, inclusive em anos seguintes. Dessa forma, o investidor pode manter o registro desse prejuízo indefinitivamente até que haja algum mês em que seu resultado nas operações seja positivo.   Um ponto importante a ser destacado é que prejuízos com operações comuns somente podem ser usados para descontar lucros nesse mesmo tipo de operação. Assim, caso o investidor tenha lucro em operações day-trade, não poderá usar o prejuízo que teve em um trade de uma semana de duração, por exemplo.   Embora o investidor não necessite realizar o pagamento de nenhuma taxa num mês em que houve prejuízo, ele deve declarar o mesmo para a Receita na Declaração de Ajuste Anual, que tem prazo até o último dia de abril do ano subsequente ao da apuração. Caso o investidor não declare o prejuízo, não poderá utiliza-lo no ano seguinte para descontar operações com lucro, pois, aos olhos da Receita, esse prejuízo não existe, já que não foi declarado. Dessa forma, todo investidor deve cumprir sua obrigação e, mesmo num ano de resultados negativos, prestar contas a Receita Federal, de forma à poder utilizar o benefício da compensação de prejuízos.   Para finalizar, recomendo a utilização da Calculadora de IR (//www.bussoladoinvestidor.com.br/calculadora_de_ir/) oferecida pelo Bússola do Investidor, que realizar toda a apuração automaticamente, e em caso de prejuízo, acumula esse saldo para futura utilização e abatimento num mês em que houver lucro.  


Este relatório ou artigo não representa necessariamente a opinião do site, tem como único propósito fornecer informações e no constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. O Bússola do Investidor nem o autor do artigo no declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este artigo se baseia em informações públicas sobre cujas veracidade e qualidade não temos responsabilidade.
 

Mais Lidas
Enquete
 
  
Mercados  |  Empresas  |  Corretoras  |  Calculadora de IR  |  Fórum  |  Central de Ajuda  |  Contato
Siga-nos:     


Copyright © 2007- 2017 Bússola do Investidor.
Ao utilizar o site, você concorda com os Termos de Uso .
Cotações Bovespa com 15 minutos de atraso. Clique aqui para ver cotações em tempo real em todo o site.
Todas as opiniões aqui exibidas são de responsabilidade de seus próprios autores e poderão ser retiradas a qualquer momento sem aviso prévio.
Apesar de todo o cuidado na coleta dos dados apresentados, não nos responsabilizamos pela exatidão das informações contidas neste site.