Ainda na espera, mas com papéis se destacando – Análise Semanal

Por |2018-06-08T07:59:11+00:0011 de outubro de 2013|

O Índice Bovespa mostrou mais uma semana de marasmo, mostrando até agora outubro como a pior média de volume em todo o ano.

O índice continua travado entre o pequeno suporte em 52.000 pontos e a insossa resistência em 53.500 pontos, ganhando aproximadamente 2.500 pontos de caminho livre a ser percorrido para o lado que for rompido primeiramente.

gráfico ibovespa

Já que o diário não mudou em nada, o que me chamou atenção foi o sinal de fundo deixado no semanal, o que pode ser uma preparação (calma, é só uma preparação) para uma melhora bem mais consistente na configuração de médio prazo.

O suporte em 51.870 pontos agora é mais importante, mas o ponto chave no semanal fica em 55.900 pontos, cujo rompimento me faria começar a gritar por compras como não fazia desde o finalzinho de 2011. Antes disso, a tendência de longo prazo é um pouco confusa, mas a situação fica bem otimista, afinal, o último pivot de alta no semanal foi marcado em setembro do ano passado.

O Índice Dow Jones continua no compasso de espera pela decisão do congresso americano em relação ao orçamento para o próximo ano, mas esse nervosismo trouxe movimentações bem fortes nos últimos pregões. Depois de tocar mais uma vez e sentir o poder do suporte em 14.700 pontos, o índice voltou para o centro da congestão e tudo continua na mesma. A tendência longa é de alta, mas seu curto prazo está preso entre os 14.700 pontos e 15.700 pontos, saindo ganhando um pouco de emoção e movimentação após o rompimento de um dos lados.

Falei de alguns papéis na semana passada, mas o destaque certamente ficou com a RAPT4, que após confirmar o sinal de fundo deixado dias antes, foi como um foguete em busca do topo anterior em R$ 12,90 e já foi encerrada em nosso relatório.

Para novas operações, temos aos montes papéis de pouco ou nenhum peso na composição do Ibovespa, tanto para compras quanto para vendas. No lado das compras, alguns dos destaques são BBRK3, MILS3, HYPE3 e RENT3, além da pouco líquida e muito volátil PTBL3. Para completar, a EMBR3 parece estar renascendo e a JBSS3 disparando, enquanto que nas vendas o destaque é dado a FLRY3 e JHSF3.

Para os amantes de figuras de reversão, um grande Ombro cabeça ombro invertido (OCOI) foi rompido hoje na BBRK3 acima dos R$ 6,17, gerando então uma bela compra em busca dos R$ 6,70 e mais adiante até os R$ 7,10, que são nossos objetivos para cima. Os indicadores estão todos comportadinhos, como o OBV nas máximas dos últimos meses e o Adx ganhando força na compra. Apesar da liquidez não ser muito boa (média de uns R$ 7 milhões por pregão), não chega a comprometer a operação.

Se puxarmos a memória, lembraremos que a MILS3 foi bastante cantada nas últimas quatro ou cinco semanas, e depois de quase nos stopar há uns dias atrás, o papel marcou hoje mais um pivot de alta acima dos R$ 32,00, ainda olhando para os 33,75 e R$ 35,20. Os indicadores também estão bonitinhos e nenhum deles compromete a operação. O único detalhe ruim é o stop um pouco longo, em R$ 29,40, mas nada que impeça a operação.

A HYPE3 é o caso mais simples de todos. Como diria o João Marcello (analista técnico que trabalha aqui comigo), esta estava mais na cara do que bigode de gato. O papel foi cantado por semanas a fio e desde que rompeu os R$ 18,00 há umas semanas vem andando como um foguete e já está quase no primeiro objetivo em R$ 19,60. Mesmo assim, como o gráfico semanal também está uma beleza, acho uma boa até esticar um pouco mais a operação até a região dos R$ 21,60. Para quem entrou antes, ótimo, o lucro já está bom. Mas para quem ficou do lado de fora tomando coragem, o problema agora é o stop mais longo, mas para carregar semanas ou meses à frente ainda é um dos papéis que mais gosto.

A RENT3 rompeu na quarta-feira um triângulo simétrico e por isso tem tendência de alta com um objetivo tão alto que nem vou falar aqui, com receio de não ser atingido. Mas pelo menos nos R$ 35,80 e depois nos R$ 36,60 eu ainda acho que podemos esperar o papel nas próximas semanas. Seu gráfico semanal também é bem legal, principalmente pelo recente cruzamento das médias móveis.

Quem lê meus relatórios sempre sabe que não costumo falar daqueles papéis pouco líquidos e extremamente especulativos, mas a PTBL3 tem um gráfico tão interessante que vou quebrar essa regra por um dia. A liquidez não é nenhuma Brastemp, mas o rompimento dos R$ 4,70 poderia proporcionar um espaço tão amplo para cima no ativo até perto dos R$ 5,30 que me fez perder hoje vários minutos olhando para o gráfico e pensando: “mando ou não mando?”. O rompimento ainda não aconteceu, mas se rolar, a configuração fica bem legal, apesar do enorme risco envolvido e do distante stop em R$ 4,30.

A EMBR3 tem uma configuração bem peculiar, que muitas pessoas buscam por ela o tempo todo. O ativo consegue juntar uma bela tendência de alta de longo prazo, com uma realização mais forte até sua mme200 e uma pequena figurinha de reversão. Desde que rompeu os R$ 18,70 segue melhorando e me agrada para um tiro bem curtinho até os R$ 20,50. O suportão também é uma zona interessante, pois tem o fundo anterior em R$ 17,70 e a média quase no mesmo lugar.

Outro papel que foi bastante cantado aqui nos últimos tempos foi a JBSS3, que depois de romper um grande triângulo simétrico e conseguir uma realização até sua antiga linha, o papel voltou a dar uma puxada para cima até os R$ 8,04 e montar um novo pivot. Seu gráfico semanal também é muito interessante e seu alvo agora fica em R$ 8,40. É claro que a enorme alta de hoje pode trazer realizações em breve, mas nada que impeça a continuidade da tendência de alta, que apenas acabaria depois dos R$ 7,36.

Como nem tudo são flores na bolsa, alguns outros papéis mostram tendências negativas. A FLRY3 já tinha uma tendência de baixa, mas neste sexta-feira montou um grande pivot de baixa ao perder os R$ 17,50, fazendo também uma figura de triângulo descendente até mesmo no semanal, mostrando que a vida dos comprados não deve ser fácil. O primeiro espaço para cair fica em R$ 16,00, mas provavelmente mostrando alguns repiques antes disso.

Para terminar a infinidade de papéis citados hoje, a JHSF3 mostra a fraqueza da maioria das ações do setor de construção civil ao namorar novamente o suporte em R$ 5,99. A tendência de curto prazo já era de baixa e se cair mais um pouquinho no próximo pregão fará mais um pivot baixista, projetando mais quedas e um espaço para baixo até os R$ 5,70 e R$ 5,40. Como já estávamos vendidos em nosso relatório de recomendações, hoje passamos a poder encurtar o stop para os R$ 6,30.

Isso foi uma característica da semana, que apesar de deixar o Ibovespa paradão, muitos papéis descolaram dele, seja para o bem ou para o mal. Muitas ações, mesmo outras que não citei aqui neste relatório de hoje tem belíssimas configurações de alta, enquanto que outras tem configurações verdadeiramente tenebrosas.

É claro que a falta de uma tendência clara no índice complica um pouco o direcionamento do mercado, mas o que realmente sinto falta é o volume financeiro ridículo das últimas semanas. Ele precisa melhorar, do contrário, nossa vida será dificultada a cada novo pregão.

Para quem é criança, parabéns pelo seu dia amanhã. Para quem não é, parabéns do mesmo jeito pela criança que todos tem dentro de si.  Ótimo final de semana a todos e até a próxima sexta-feira!!

 

Este relatório foi preparado pela equipe de análise de investimentos da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (“Ágora”), que é uma sociedade controlada pelo Banco Bradesco BBI S.A. (“BBI”), mesmo controlador da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários (“Bradesco Corretora”). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora.
Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento envolvido(s) na sua elaboração (“analistas de investimento”) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado.
Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste vídeo, limitadas às companhias objeto de sua análise, nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483:
O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste vídeo refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco.
A remuneração do(s) analista(s) de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI.
O analista de investimentos Daniel Marques declara que possui vínculo com pessoa natural que trabalha para o emissor objeto do vídeo de análise: PETROBRÁS.
O analista de investimento João Marcello Schoenberger declara que ele e/ou seu cônjuge ou companheira são, direta ou indiretamente, em nome próprio ou de terceiros, titulares de valores mobiliários objeto dos relatórios de análise: BBDC4, RDNI3 e BEMA3.
Declarações nos termos do art. 18 da Instrução CVM 483, referentes às empresas cobertas pelos analistas de investimento da Ágora e Bradesco Corretora:
O Bradesco tem participação direta acima de 5% nas empresas Cielo S.A. e Odontoprev S.A. A Bradseg Participações Ltda., empresa do Grupo Bradesco, tem participação indireta acima de 5% no Fleury S.A. A BRADESPAR S.A., cujo grupo controlador é composto pelos mesmos acionistas que controlam o Bradesco, tem participação indireta acima de 5% na VALE S.A..
Ágora, Bradesco Corretora, Bradesco BBI e demais empresas do grupo Bradesco têm interesses financeiros e comerciais relevantes em relação ao emissor ou aos valores mobiliários objeto de análise.
O Bradesco BBI está participando como coordenador na oferta de distribuição pública de ações de Sascar Participações S.A. e Unidas S.A., de debêntures da Companhia de Gás de São Paulo – COMGÁS e Raízen Energia S.A.. A Ágora e a Bradesco Corretora estão participando como instituições intermediárias na oferta de distribuição pública de ações de GAEC Educação S.A., Ser Educacional S.A. e Tupy S.A., de debêntures da Companhia de Gás de São Paulo – COMGÁS, Concessionária do Sistema Anhanguera – Bandeirantes S.A. – AUTOBAN e cotas de SP Downtown Fundo de Investimento Imobiliário FII.
Nos últimos 12 meses, o Bradesco BBI participou como coordenador nas ofertas públicas de distribuição de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Banco BTG Pactual, Banco do Brasil, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, BNDESPAR, BR Malls, Bradespar, Brasil Telecom, CART, CEDAE, Chemical VII (FIDC), Colinas, Comgás, CPFL Energias Renováveis, Daycoval, EcoRodovias, Ecovias, Eletropaulo, Embratel, Equatorial, Estácio, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, Fleury, Gafisa, Gávea Crédito Estruturado (FIDC), Iguatemi, JBS, Marfrig, MPX, Multiplan, OAS, OI, Petropar, Restoque (Le Lis Blanc), Rodobens, Sabesp, Smiles, Vale e Vix Logística. Também atuou como assessor financeiro de Alpargatas na operação com a Osklen.
Nos últimos 12 meses, a Ágora e/ou a Bradesco Corretora participaram, como instituições intermediárias, das ofertas públicas de títulos e valores mobiliários das companhias: Abril Educação, Aliansce, Alupar, BNDESPAR, Banco BTG Pactual, BB Progressivo II – FII, BB Seguridade, Biosev, BHG, CPFL Energias Renováveis, Equatorial, Estácio, Fator IFIX – FII, FII BTG Pactual Corporate Office Fund, FII – General Shopping Ativo e Renda, Fator Verità FII, Fibria, FII Brasil Plural Absoluto Fundo de Fundos, FII TB Office, FII TRX, Iguatemi, Iochpe Maxion, Linx, Marfrig, Minerva, Multiplan, Rio Bravo Crédito Imobiliário II – FII, Rodovias do Tietê, Santander Agências FII, Senior Solution, SDI Logística Rio – FII, Smiles, Triângulo do Sol e XP Corporate Macaé – FII.
A Bradesco Corretora recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de ações da Alpargatas (ALPA4) e Odontoprev (ODPV3). O Bradesco recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de debêntures da USIMINAS e BNDESPAR, e cotas do Fundo Imobiliário BB Progressivo II.

Veja também