Gráficos com Análise Técnica Grátis!  Agora o Bússola do Investidor tem gráficos Interativos com Cotações em Tempo Real.   Acesse já!

   Adicionar aos favoritos      RSS                           Novo por aqui? Cadastre-se ou faça seu login. 
 
Cadastre-se | Faça seu login | Planos
ARTIGOS

Egito quer assinar novo acordo de gás com Israel com mudança no preço


Por Último Instante em segunda-feira, 23 de abril de 2012 - 16:01
Envie por email  Imprima  RSS Feed RSS

23 abril de 2012 - O Egito afirmou nesta segunda-feira que está disposto a alcançar um novo acordo para a exportação de gás a Israel, mas com uma mudança nas condições e no preço de venda, depois que no domingo foi anunciado que Cairo tinha rescindido unilateralmente o contrato.

Em declarações à imprensa, a ministra egípcia de Planejamento e Cooperação Internacional, Fayza Abul Naga, explicou que a parte egípcia não tem nenhum inconveniente em chegar a um acordo com novas condições e novos preços.

Essa vontade já foi comentada com Israel, segundo Abul Naga, que insistiu em que o contrato não tem nada a ver com o Ministério do Petróleo ou com o Governo egípcio, mas se trata de um contrato comercial entre duas empresas.

A companhia nacional egípcia de gás natural EGAS e a Corporação Geral Egípcia de Petróleo notificaram no domingo a empresa israelense EMG da rescisão do contrato por não cumprir com o reembolso do gás comprado.

Neste sentido, a ministra afirmou que a parte israelense não se comprometeu com as obrigações financeiras incluídas nos artigos do contrato, embora tenha sido avisada cinco vezes, a última no dia 31 de março.

Este acordo, assinado em 2005 e considerado um dos pilares da paz entre os países, era objeto de polêmica no Egito já que permitia a venda de gás a um preço muito inferior ao do mercado.

Em Israel a decisão foi criticada, mas descartaram que tenha sido adotada por motivos políticos, por causa da postura com relação ao seu país por parte das novas autoridades egípcias.

Não vemos este corte do gás como algo originado por questões políticas. Na realidade é uma disputa empresarial entre a empresa israelense e a egípcia, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Até 2011, o Egito fornecia a Israel 7 bilhões de metros cúbicos de gás natural ao ano, um compromisso que devia ter estado vigente até 2025 e que incluía uma opção de duplicar essa quantidade se as partes estivessem interessadas.

Desde a derrocada do regime de Hosni Mubarak em fevereiro de 2011, o gasoduto que unia os países foi alvo de 14 explosões realizadas por grupos desconhecidos. 

(Redação com EFE - www.ultimoinstante.com.br)


Este relatório ou artigo não representa necessariamente a opinião do site, tem como único propósito fornecer informações e no constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. O Bússola do Investidor nem o autor do artigo no declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este artigo se baseia em informações públicas sobre cujas veracidade e qualidade não temos responsabilidade.
 
Fornecido por


Mais Lidas
Enquete
 
  
Mercados  |  Empresas  |  Corretoras  |  Calculadora de IR  |  Fórum  |  Central de Ajuda  |  Contato
Siga-nos:     


Copyright © 2007-2014 Bússola do Investidor.
Ao utilizar o site, você concorda com os Termos de Uso.
Cotações Bovespa com 15 minutos de atraso. Clique aqui para ver cotações em tempo real em todo o site.
Todas as opiniões aqui exibidas são de responsabilidade de seus próprios autores e poderão ser retiradas a qualquer momento sem aviso prévio.
Apesar de todo o cuidado na coleta dos dados apresentados, não nos responsabilizamos pela exatidão das informações contidas neste site.
 
IP-0A9AC736 10.154.199.54- 23/04/2014 23:53:11