Gráficos com Análise Técnica Grátis!  Agora o Bússola do Investidor tem gráficos Interativos com Cotações em Tempo Real.   Acesse já!

   Adicionar aos favoritos      RSS                           Novo por aqui? Cadastre-se ou faça seu login. 
 
Cadastre-se | Faça seu login | Planos
ARTIGOS

Análise Semanal - 31 de Outubro a 6 de Novembro


Por Enfoque em domingo, 30 de outubro de 2011 - 23:48
Envie por email  Imprima  RSS Feed RSS

Os principais índices financeiros do Brasil e dos EUA acumularam ganhos na semana que se encerra nesta sexta-feira, de olho nos principais indicadores da economia norte-americana e nos eventos ocorridos na Europa, que pautaram os negócios ao longo do período.

 
Cenário Externo     Na última quarta-feira, os líderes da União Europeia anunciaram acordo para tentar resolver a crise da dívida pública que assombra vários países do continente. O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, disseram que o pacote consiste em "um esforço ambicioso" dos países para encerrar a crise econômica internacional. A negociação aconteceu em Bruxelas, na Bélgica, e durou mais de dez horas.   O pacote interfere diretamente nas questões relativas à Grécia, Itália e Espanha. Os líderes europeus fizeram o anúncio oficial de um plano de ação com três linhas principais: a solução do problema da dívida da Grécia, o fundo europeu de resgate e o aumento da liquidez dos bancos.   Os bancos privados que têm títulos da dívida da Grécia aceitaram perdas de 50% nos seus papéis, o equivalente a 100 bilhões de euro (US$ 140 bilhões). A medida deverá diminuir a relação dívida-Produto Interno Bruto (PIB) da Grécia para 120% em 2020. Nas condições atuais, essa relação poderia chegar a 180%.   O primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, elogiou o acordo: "Nós podemos dizer que um novo dia chegou na Grécia, não só na Grécia mas em toda a Europa".   Apesar dos elogios, os próprios líderes europeus reconhecem que muitos detalhes ainda precisam ser esclarecidos. Não se sabe, por exemplo, como os países do euro vão levantar os fundos necessários para aumentar o Feef de 440 bilhões de euros para 1 trilhão.   Nos EUA, destaque para alguns importantes resultados da economia. Entre eles, o PIB do país registrou avanço de 2,5% no terceiro trimestre de 2012, ficando dentro das expectativas do mercado. O resultado é praticamente o dobro em relação ao do 2º trimestre do ano, que ficou em 1,3%.   Já os pedidos de auxílio-desemprego recuaram em 2 mil na semana passada, para um total de 402 mil, segundo dados do Departamento de Trabalho do país. O mercado estimava uma alta de 2 mil solicitações.   Destaque ainda para a confiança do consumidor medida pela Conference Board, que surpreendeu analistas de mercado e despencou para 39,8 pontos em outubro. Já o índice elaborado pela Universidade Michigan apresentou no mesmo período alta para 60,9 pontos, ante resultado anterior de 57,5 pontos. O mercado esperava 58 pontos para o levantamento.   Ainda nos EUA, a semana trouxe a divulgação de diversos índices do setor imobiliário. O índice de preços de imóveis S&P Case Shiller HPI registrou alta de 0,2% em agosto, após ficar estável em julho. Já os preços de casas, medidos pela Federal Housing Finance Agency, recuaram 0,1% em agosto.   Já as vendas de casas novas avançaram em setembro, e atingiram no período 313 mil unidades, ao passo que as vendas pendentes de casas recuaram 4,6% no mesmo período, de acordo com o índice divulgado pela Associação Nacional dos Corretores de Imóveis dos EUA.   Outro indicador importante, o índice que mede o custo do emprego nos Estados Unidos apresentou alta de 0,3% no terceiro trimestre do ano. Os dados foram divulgados a pouco pelo Departamento de Trabalho do país. O mercado estimava crescimento de 0,6%.   Além disso, a renda pessoal do trabalhador americano encerrou setembro com leve alta de 0,1%, enquanto os gastos dos consumidores tiveram valorização de 0,6%. Os números foram divulgados a pouco pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos.   Já os pedidos de bens duráveis em setembro apresentaram queda de 0,8%, de acordo com dados apresentados pelo Departamento de Comércio do país.   No quesito regional, o índice nacional de atividade do Federal Reserve de Chicago, registrou em setembro -0,22 pontos, contra -0,43 pontos de agosto, ao passo que o índice de manufatura do Fed de Richmond caiu para -6 pontos em outubro, pernamecendo inalterado em relação a setembro.   Desta forma, o Dow Jones, da Nyse, acumulou alta de 3,6%, aos 12231 pontos, ao passo que o S&P 500 teve valorização de 3,5%, aos 1285 pontos na semana.     Cenário Interno     No Brasil, o principal destaque veio como anúncio da Fitch, que decidiu manter o rating da dívida brasileira em BBB, com perspectiva estável. Segundo o documento, a nota do país é suportada pela alta liquidez externa com reservas de dólares em US$ 350,6 bilhões, o que deixa o Brasil com saldo credor.   A agenda econômica também trouxe resultados importantes. A balança comercial registrou na terceira semana de outubro saldo negativo de US$ 304 milhões. Com isso, no mês o superávit acumulado é de US$ 572 milhões. Já em 2011, o avanço total é de US$ 23,60 bilhões.   Nos índices de inflação, o IPC-S apresentou variação de 0,31%, taxa 0,08 ponto percentual (p.p.) abaixo da registrada na última apuração, ao passo que o IPC-S Capitais avançou 0,31% na semana, 0,8 ponto percentual abaixo da taxa divulgada na última apuração. Das sete capitais pesquisadas. cinco registraram decréscimo nas taxas de variação.   Já o índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) registrou, em outubro, taxa de variação de 0,20%, acima do resultado do mês anterior, de 0,14%. No ano, o índice acumula variação de 6,68% e, nos últimos 12 meses, a taxa registrada é de 7,70%.   Além disso, o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) variou 0,53%, em outubro. Em setembro, o índice avançou 0,65%. Em 12 meses, o IGP-M elevou-se 6,95%. A taxa acumulada no ano é de 4,70%.   Destaque ainda para o índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que variou 0,4% entre setembro e outubro de 2011, ao passar de 114,7 para 115,2 pontos.   Hoje, o mercado conheceu o resultado da Pesquisa Mensal de Emprego, realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, que apontou que a taxa de desocupação atingiu 6% em setembro, segundo o IBGE, mesmo valor de agosto. Em relação ao mesmo período de 2010, o quadro é de estabilidade. Esta é a menor taxa estimada para um mês de setembro desde março de 2002.   Desta forma, A Bovespa terminou a semana com alta acumulada de 7,7%, aos 59513 pontos.


Este relatório ou artigo não representa necessariamente a opinião do site, tem como único propósito fornecer informações e no constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. O Bússola do Investidor nem o autor do artigo no declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este artigo se baseia em informações públicas sobre cujas veracidade e qualidade não temos responsabilidade.
 
Fornecido por


Mais Lidas
Enquete
 
  
Mercados  |  Empresas  |  Corretoras  |  Calculadora de IR  |  Fórum  |  Central de Ajuda  |  Contato
Siga-nos:     


Copyright © 2007-2014 Bússola do Investidor.
Ao utilizar o site, você concorda com os Termos de Uso.
Cotações Bovespa com 15 minutos de atraso. Clique aqui para ver cotações em tempo real em todo o site.
Todas as opiniões aqui exibidas são de responsabilidade de seus próprios autores e poderão ser retiradas a qualquer momento sem aviso prévio.
Apesar de todo o cuidado na coleta dos dados apresentados, não nos responsabilizamos pela exatidão das informações contidas neste site.
 
IP-0A9AC736 10.154.199.54- 24/07/2014 01:27:42